en | pt |

Um nome na História: Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim

Um nome na História: Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim

Show full item record
Title: Um nome na História: Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim
Author: Antonio Carlos Jobim
Author: Antonio Carlos Jobim | Roberto D'ávila | Evilásio Carneiro | Anita simkevicius | Nina Luz | TV Educativa - TVE | Licínio Rios neto
Date: 1981-05-22
play
Table of contents:
00:00:27; Luiza
00:00:50; Eu nasci na Tijuca...
00:05:10; ...Hanz Koelheuter...
00:06:50; ...Jorge Jobim...
00:11:50; ...festival, Sabiá...
00:16:14; ..Estados Unidos...
00:17:00;...Sinatra...
00:18:33; ...inspiração...
00:21:34; ...natureza...
00:25:50; ...O Brasil não pega fogo | Jardim Botanico | lagoa...
00:30:10; Luiza
00:34:22; Garota de Ipanema
00:36:40; ...Vinicius e êle mesmo...
00:38:00; ...Rubem Braga, A cachorrinha...
00:38:50; Eu e o meu amor
00:38:50; Eu e o meu amor
00:40:33; ...Chico...
00:41:13; ...Caetano...
00:42:11; ...musica que você mais gosta...
00:43:17; ...eu gosto muito da música dos outros...
00:45:43; ...5% de inspiração e 95% de transpiração...
00:47:07 ...estou me tornando um classico, um obsoleto...
00:48:16; ...ecologia...
00:49:03; ...a música...
00:51:00; ...música clássica...
Abstract: ACJ tocando "Luiza". Foto de sua mãe Nilza Brasileiro de Almeida com ACJ no colo, ainda bebê. Ele conta sobre sua primeira infância e fatos do seu nascimento. Várias fotos. O inicio de sua aptidão musical não é destino, mas "coincidência". Hans-Joachim Koellreutter foi seu primeiro professor. Helena Jobim começou a ter aulas, mas ele se interessou mais e pegou as aulas da irmã. Ensaio de uma teoria: quem se dedica ao piano é aleijado. Não dá pra trocar uma partida de futebol por um piano. Cita Luizinho Eça e Sérgio Mendes. Um garoto sadio não faz isso; a não ser tenha algo muito forte. Quando se decidiu pela música, quis fazer apenas isso. Recusou-se, por exemplo, cargos de desenhista, cantor, [ator]. Ele não queria que o público o visse. No "Orfeu da Conceição" não regeu a orquestra por timidez. Composições intimistas eram mais comuns. Não acredita no público: no III Festival Internacional da Canção, o mais duro para ACJ foi ter ganho a parte nacional com "Sabiá". Segundo ele, o mais dificil é ser Pelé ou Garrincha. Lá fora é mais fácil ter reconhecimento. O Brasil é um laboratório, mas as circunstâncias não são propícias para se viver. A água nasce ao contrário também, ausência de grandes mamíferos... Tudo é importado. "Matita Perê" e "Águas de março" são totalmente brasileiras e quanto mais for, mais te acusam de estrangeirismos. Sérgio Cabral, em seu "Pixinguinha, vida e obra", o acusa de ser "jazzista". É perguntado sobre as melhores possibilidades nos EUA. Concorda, mas acha que se fosse americano do norte (pois é americano do sul) teria outros problemas lá... Pagam rios de dinheiro ao Frank Sinatra, mas ainda assim falam mal da voz dele. A máfia dos EUA é melhor que a daqui. Ele não sabe como é seu processo de criação. "Vem de um jeito, depois fica de outro [...] e de repente tá lá um troço que faz sentido". Foi assim com "Garota de Ipanema". É muito sofrida a composição. "Eu sou um perfeccionista", que sempre se choca contra as impossibilidades. Não se julga muito habilidoso musicalmente [e] é canhoto. "Gosto muito da natureza. Estudo muito". Deve ser o amador que melhor conhece passarinho no Brasil. Diz que está produzindo demais; mais do que gostaria: 30 músicas novas e aberturas para a TV Globo. Preocupação com as queimadas. Estão fazendo uma "porção de bobagens" na Lagoa Rodrigo de Freitas. "O homem quer sempre matar o indio, escravizar a mulher, botar fogo no mato - tudo besteira". Explica o procedimento correto para salvar a Lagoa. Demonstra pela primeira vez a música "Luiza". Diz que ainda está trabalhando na letra. ACJ tocando e cantando "Garota de Ipanema" com Vinicius de Moraes, seu grande companheiro é ele mesmo. O amor de Vinicius é insubstituível e brinca que continua compondo com ele. Cenas da homenagem a Vinicius de Moraes, de julho de 1980, da própria TVE: Paulo Jobim e ACJ cantam "Eu e o meu amor". Afirma que trabalha bem com Chico Buarque. Tem gravado muita coisa aqui e nos EUA. Comenta que seu trabalho com Caetano Veloso só não sai porque eles não se vêem. Não tem nenhuma música da qual goste mais - "São todas minhas filhas". Gosta de variar nas músicas que toca e não sente inveja de nenhuma: "gosto muito da música dos outros". Cita Lupicínio Rodrigues e Villa-Lobos. Afirma que sua infância foi comum e que a sensibilidade é que vai variar. Como o ser humano é riquíssimo, acha que, no futuro, todo mundo vai ser artista. Cita Stravinsky: "A música moderma é 5% inspiração e 95% transpiração". Diz-se um obsoleto, pois seu esforço em aperfeiçoar as músicas o incomoda. Preocupação com a ecologia: "doação ilimitada a uma eterna ingratidão". Comenta que não vê necessidade em distinguir sua música entre popular ou clássica.
Description: Realização TVE - TV Educativa, Sinted e Ministério da Educação e Cultura - MEC. Apresentação de Roberto D'Ávila. Núcleo de programação visual: Paulo Cerqueira e Rui de Oliveira. Tem o titulo informal de "Os imortais".
Type: Depoimento
Subject:
KOELLREUTTER, Hans-Joachim
ALMEIDA, Nilza Brasileiro de
Festival Internacional da Canção, III
Ministério da Educação e Cultura - MEC
Sinted
CERQUEIRA, Paulo
OLIVEIRA, Rui de

Files in this item

Files Size Format
Um nome na história.mp4 186.7Mb MPEG video
thumbnail E14.jpg 36.71Kb JPEG image

This item appears in the following Collection(s)

  • Videos [77]
    Vídeos sobre ACJ

Show full item record